Translate

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Igreja São Pelegrino. Caxias do Sul.RS.2018

Fotografia de Carol Moraes.

Bela vista da igreja iluminada a noite.

Interior da Igreja São Pelegrino. Caxias do Sul.RS.2018






É sem duvidas a igreja mais bonita de Caxias, e seu interior todo coberto com obras de Aldo Locatelli.

Letreiro. Caxias do Sul.RS.2018


Letreiro verde, em frente ao parque cinquentenário, trecho que liga a rodovia com o centro da cidade.

Pelas Ruas. Caxias do Sul.RS.2018


Na praça da bandeira, rua Sinimbu, me deparei com essa bela imagem. 

Estatua do Cemitério. Muçum.RS.2018


Trafegando do interior de Vespasiano Corrêa para Muçum, me deparei com essa estatua em frente ao cemitério. Não consegui identificar que Santa se trata, mas achei muito interessante, ainda mais por ser na parte rural do município.

Entrada do Túnel. Ferrovia do Trigo/V13. Vespasiano Corrêa.RS.2018


Vista do Alto do V13. Vespasiano Corrêa.RS.2018


Cascatas.Vespasiano Corrêa.RS.2018


Do alto do viaduto vemos essas belas cascatas, é bom levar roupa de banho para poder desfrutar do lugar. Não foi meu caso.

Escuridão dentro do tunel. Vespasiano Corrêa.RS.2018


Dentro dos tuneis não há iluminação, é um breu completo. 

Túnel da Ferrovia do Trigo/Viaduto 13. Vespasiano Corrêa.RS.2018


Fotografia de Carol Moraes

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Túnel da Ferrovia do Trigo.Vespasiano Corrêa.RS.2018



O túnel em seu interior é completamente escuro, mas em certas partes possui arcos, que dão visão para o exterior.

Viaduto 13.Vespasiano Corrêa.RS.2018


Visto do Balneário que fica abaixo. Local onde existem belas cascatas.

Tuneis da Ferrovia do Trigo.Vespasiano Corrêa.RS.2018



Entrada dos tuneis férreos. O lugar não possui iluminação interna, é bom levar lanterna. 

Viaduto 13/Ferrovia do Trigo. Vespasiano Corrêa.RS.2018


Entrada do Viaduto pela parte superior. O V13 faz parte da ferrovia do Trigo, assim como os outros viadutos e tuneis. 

Cachoeira vista do alto do Viaduto 13. Vespasiano Corrêa.RS.2018


Do alto do Viaduto pode ser ver o Rio, e Cachoeiras, uma vista muito bonita.

Viaduto 13. Vespasiano Corrêa.RS.2018


Na chegada ao Viaduto esta é a imagem, que impressiona. Pena a claridade não ter ajudado no registro. Maior Viaduto Ferroviário da América Latina.

Igreja São João Batista. Vespasiano Corrêa.RS.2018


segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Balneário do Rio das Antas..Cotiporã.RS.2018


Encontramos o Balneário totalmente por acaso, indo de Bento Gonçalves, para o Viaduto 13. Passando a localidade de Farias Lemos em Bento, avistei o rio e as pedras ao longe, e chegamos para tirar fotos. Lugar interessante, uma praia de rio muito bonita, e haviam várias pessoas no local, nadando, fazendo churrasco, e aproveitando o lugar. 
___________________________________________________________
Balneário Rio das Antas
Dista 12 km do centro da Cidade de Cotiporã via não pavimentada e, a 20 km de Bento Gonçalves em via asfáltica. O visitante poderá alugar espaço para acampamento, também usufruir de espaços para alimentação, com pagamento de taxas.

Fonte:turismocotipora.com.br

Praia de Pedras. Cotiporã.RS.2018


Balneário do Rio das Antas.Cotiporã.RS.2018



Cotiporã.RS. A Pequena Floresta Bonita 

A Cidade:

Cotiporã é mais um daqueles municípios pequenos e encantadores da serra gaúcha. Predominantemente também foi colonizado por imigrantes italianos. Está localizado numa região de vales e rodeado pelos tradicionais rios Carreiro e Taquari (conhecido como Rio das Antas ), favorecendo os esportes radicais. Sua arquitetura histórica remete aos modelos adotados pelo imigrante italiano durante a fase de colonização e também o ecletismo posteriormente empregado. 
Fonte:raizesdaarquitetura.com.br

Atrativos Turísticos:

Gruta de Quartzo:
Localizada no centro da cidade, próxima ao Hospital Nossa Senhora da Saúde, a gruta é totalmente revestida de quartzo, atribuindo-lhe uma beleza inigualável.
Fonte:termaselongevidade.com.br

Igreja Matriz Nossa Senhora da Saúde:
A construção da Igreja matriz deu-se entre os anos 1905 e 1907. A pintura interna é de Emílio Zanon. Em seu interior possui imagens de Santos trazidas da Itália. No mês de novembro realiza-se a festa em honra à Padroeira Nossa Senhora da Saúde.
Fonte:turismocotipora.com.br

Pico do Paraglaider
Localizado a 3 km do centro da cidade, passando pela Capela Nossa Senhora do Caravaggio, de grande beleza natural. Do local o visitante avista o vale do Rio Carreio, limite municipal entre Cotiporã e São Valentim do Sul e Capela N. Srª de Fátima. É um espaço muito bonito para contemplar o horizonte ao final da tarde assistir um belo pôr do sol.
Fonte:turismocotipora.com.br

Balneário do Rio das Antas:
Dista 12 km do centro da Cidade de Cotiporã via não pavimentada e, a 20 km de Bento Gonçalves em via asfáltica. O visitante poderá alugar espaço para acampamento, também usufruir de espaços para alimentação, com pagamento de taxas
Fonte:turismocotipora.com.br

Morro do Céu ou Cerro dos Baianos:
Originada de derrames basálticos da era mesozoica, há aproximadamente 136 milhões de anos, a formação rochosa que ali se formou. É um morro que destaca-se por estar isolado na paisagem, circundando quase que totalmente o Rio das Antas.
O nome Morro dos Baianos, deu-se devido ao fato de ter sido habitado por negros refugiados das charqueadas, chamados de baianos pelos descendentes de italianos. No local, encontram-se vestígios do antigo cemitério da comunidade e ruínas de suas habitações. O platô do morro possui 70 hectares de mata nativa. O local deve ser visitado somente com a presença de um guia especializado para orientar e acompanhar. No alto há os mirantes naturais e tem-se vistas maravilhosas da região.
Fonte:turismocotipora.com.br

Mirante do Rio das Antas, UEH 14 de Julho e Morro do Céu:
Localizado a 8.5 km da sede do município, estrada que liga Cotiporã ao município de Bento Gonçalves, em um trecho de declive acentuado, encontramos o Mirante. Pode dali, avistar parte do vale do Rio das Antas, onde o rio contorna o Morro do Céu e forma a dupla ferradura, a mata, os canyons, morros e o lago da represa da Hidrelétrica 14 de Julho, como sendo um exuberante espetáculo.
Fonte:turismocotipora.com.br

Museu Histórico e Biblioteca Municipal:
Localizam-se na Rua Bento Gonçalves nº 44, junto ao prédio da Casa de Cultura, construído em 1935. No Museu encontram-se peças antigas que retratam a saga da imigração italiana, sua cultura seus costumes. A Biblioteca Municipal dispõem de livros para retirada, incentivando assim a educação através da leitura aos munícipes
Fonte:turismocotipora.com.br

Cascata dos Marins:
O atrativo é um dos mais belos espetáculos da natureza. Localizada no Arroio Sapatinho, fica distante 6 km da sede do município. De fácil acesso, chega-se até a cascata pela Linha Independência, por estrada não pavimentada, de onde é possível observar vales e morros. No local existem vários mirantes para melhor apreciar suas duas quedas d’água, uma de 80 m e a outra de 60 m. A primeira forma uma piscina natural, onde chega-se através de uma trilha íngreme e, a segunda, forma um riacho que corre para o Rio das Antas.
Fonte:turismocotipora.com.br

Gruta Nossa Senhora de Lourdes:
Encontra-se na Capela de Nossa Senhora da Pompéia, na Linha Júlio de Oliveira, a 4 km da sede do município. A Gruta possui formação natural, constituída por um paredão de pedra basalto, com aproximadamente 18 m de largura, 9 m de profundidade e 5 m de altura. Em épocas de chuva, forma-se entre as pedras uma pequena cascata caindo em poço artificial.
Fonte:turismocotipora.com.br

Antigo Frigorifico A Sul América:

Encontro das Águas:
Dista 10 km do centro da cidade, pela estrada da Capela São Judas Tadeu, o visitante pode observar a junção dos rios Carreiro e Antas, na junção desses dois rios passa a chamar-se de Rio Taquari. Também vê-se a comunidade de Santa Bárbara, comunidade pertencente ao município de São Valentim do Sul.
Fonte:turismocotipora.com.br

Camping Carreiro:
O camping do Carreiro é administrado pela Prefeitura de Cotiporã e está a 8 km do centro da cidade. O percurso até o local é realizado por uma via não pavimentada em boas condições. Possui equipamentos básicos para acampamento e fica ao lado do Rio Carreiro.
Fonte:turismocotipora.com.br

História:
Em meados de 1885, chegaram as primeiras fampilias de imigrntes italianos, quando surge um pequeno núcleo chamado Monte Vêneto, homenagem à região da Itália de onde essas eram procedentes. Devotos à religiosidade e motivados pelo Padre Fortunato Odorizzi, no ano de 1987, inicia-se a construção da majestosa Igreja Matriz Nossa Senhora da Saúde e, em seguida instalam-se grandes empresas, dentre essas a Fábrica de Laticínios Paganim (1907), a fábrica de suínos ‘A Sul Americana’ (1912) e Cachaçaria de Aguardente Farroupilha (1930).
Com a constituição de 1938 os locais com nomes de origem de seu povo foram substituídas, assim Monte Vêneto passou a chamar-se de Cotiporã, nome indígena que significa “pequena floresta bonita”. Em 1982, Cotiporã emancipa-se de Veranópolis e instala-se como município em 1º de Janeiro de 1983.
Fonte:turismocotipora.com.br

fonte: https://pesquisandocidades.blogspot.com.br/2017/11/cotiporars-pequena-floresta-bonita.html

Praia de Pedras. Balneário Rio das Antas. Cotiporã.RS.2018


Ponte. Cotiporã.RS


Ponte sobre o Rio das Antas. Cotiporã.RS.2018


Balneário do Rio das Antas. Cotiporã.RS.2018


quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Eclusa. Bom Retiro do Sul.RS.2017


Esta é a Eclusa de Bom Retiro do Sul, o principal atrativo da cidade, e maior motivo de nossa visita. A Barragem permite a ligação hidroviária desde o porto de Estrela até os portos de Porto Alegre e Rio Grande. O local é muito visitado nos finais de semana, no dia que fomos haviam pessoas pescando ao lado de um placa de proibido pescar. A construção é magnifica, uma das maiores obras de engenharia do estado, com suas comportas, onde da para notar perfeitamente os desnível  entre os rios. No dia que fomos infelizmente não haviam navios passando e o dia estava nublado, mas mesmo assim fica o registro. 1ª Cidade visitada em 2018, 163ª no total. Mais um belo local para se visitar no Vale do Taquari. 

Largo dos Emancipacionistas. Bom Retiro do Sul.RS.2017



Na rua próxima a prefeitura encontramos esse bonito monumento aos fundadores do municípios. Também chamado de "escadaria", pela foto da para saber o motivo.

Letreiro. Bom Retiro do Sul.RS.2017


Em frente a prefeitura encontramos esse bonito e singelo letreiro da cidade, existe outro no trevo de acesso ao município.

Eclusa. Bom Retiro do Sul.RS.2017


O Complexo conta com rampa para lançamento de barcos esportivos e de pesca, com marina para aproximadamente 50 embarcações. Oferece bar e restaurante. O pintado é o peixe mais encontrado na região.
Fonte:turismo.rs.gov.br

Igreja Católica. Bom Retiro do Sul.RS.2017


Localizada no morro da Corsan (fundada em 1939);

Paróquia Sagrada Família. Bom Retiro do Sul.RS.


Na rua principal, me deparei com essa interessante igreja. 

Igreja da Comunidade Evangélica Sociedade de Cantores (hoje chamado de Centro Comunitário Evangélico). Fonte:pesquisandocidades.blogspot.com.br


A Eclusa. Bom Retiro do Sul.RS.2017


Bom Retiro do Sul.RS.O Pesqueiro do Vale

A Cidade:
Reconhecido por suas belezas naturais e pela hospitalidade de seus habitantes, o município tem como principal destaque a Barragem Eclusa, construída na década de 70. Ela possui seis comportas duplas do tipo vagão, com 17 metros de largura de descarga de fundo, apresentando cota de represamento de 13,00 metros. Em sua margem esquerda foi implantada uma eclusa com dimensões de 120m de comprimento por 17m de largura.
Chamado de "O pesqueiro do Vale", Bom Retiro do Sul é reconhecido pela pesca artesanal, pois é banhado pelo Rio Taquari que atraí inúmeros turistas apaixonados pela pescaria.

Outro destaque fica por conta das figueiras centenárias, que estão espalhadas por todo território do Municipal.

Em seu perímetro urbano, observam-se as belas construções datadas do século passado. Na parte baixa da cidade, no bairro cidade baixa, podemos destacar: a Igreja Católica, localizada no morro da Corsan (fundada em 1939); a casa rosada, próxima a Prefeitura municipal; o Largo dos Emancipacionistas, popularmente chamado de "escadaria"; a casa da família Pivatto; o prédio do antigo centro comercial de Arthur Ohlweiler (ao lado do Largo dos Emancipacionistas).

Ainda percorrendo a rua principal, podemos admirar outras antigas construções, como a do Clube União Bom-Retirense, construído em 20 de setembro de 1932.

Outras construções: Paróquia Sagrada Família; Igreja da Comunidade Evangélica Sociedade de Cantores (hoje chamado de Centro Comunitário Evangélico);

O Parque Municipal Por-do-Sol, atrai muitos visitantes para a prática de atividades físicas, como caminhada, corrida e ciclismo. Neste local acontecem campeonatos de futebol sete e vôlei de duplas. Ainda nas dependências do parque há também uma área com brinquedos destinados às crianças com até 10 anos de idade.

Para demonstrar todo o potencial cultural, turístico, agropecuário, industrial e comercial, é realizada, de quatro em quatro anos, nas dependências do Parque Municipal Por-do-Sol, a EXPOBOM, uma das maiores exposições do Vale do Taquari.

Anualmente o município realiza os eventos NATAL NAS ÁGUAS, SEMANA DO MUNICÍPIO, SEMANA FARROUPILHA, BOM RETIRO EM DANÇA, CARNAVAL, FESTIVAL DO PEIXE, entre outros.
Fonte:bomretirodosul.rs.gov.br

Atrativos Turísticos:

Barragem:

Com 230 metros de comprimento, a barragem é um dos principais pontos turísticos da cidade. Construída entre os anos de 1958 e 1962, ela permite a ligação hidroviária desde o porto de Estrela até os portos de Porto Alegre e Rio Grande.
Fonte:euviajo.com.br

Complexo Turistico da Eclusa:

O Complexo conta com rampa para lançamento de barcos esportivos e de pesca, com marina para aproximadamente 50 embarcações. Oferece bar e restaurante. O pintado é o peixe mais encontrado na região.
Fonte:turismo.rs.gov.br

Camping e Balneário da Amizade:

O Camping e Balneário da Amizade possui um grande lago natural, além de área de camping com churrasqueiras.
Fonte:euviajo.com.br

Igreja Católica: localizada no morro da Corsan (fundada em 1939);


O Largo dos Emancipacionistas: popularmente chamado de "escadaria".

Paróquia Sagrada Família: Igreja da Comunidade Evangélica Sociedade de Cantores (hoje chamado de Centro Comunitário Evangélico).


Centro de Lazer Moinhos do Campo:

EXPOBOM:

Natal nas Águas:

Bom Retiro em Dança:

A cidade possui outros atrativos como: Festival do Peixe, O Parque Municipal Por-do-Sol, Clube União Bom-Retirense (construído em 20 de setembro de 1932); A casa da família Pivatto: o prédio do antigo centro comercial de Arthur Ohlweiler (ao lado do Largo dos Emancipacionistas); A Casa Rosada: próxima a Prefeitura municipal; Figueiras centenárias;


História do MunicípioBom Retiro do Sul:

O historiador Aurélio Pinto afirma que o vale do Taquari, no princípio do século XVII, era habitado por índios Tapes. Supõe-se que o primeiro homem civilizado a "visitar" Bom Retiro do Sul tenha sido o Padre Cristóvão Mendonça, por volta de 1633/34, alcançando estas paragens por via fluvial, proveniente das reduções de Jesus Maria e São Cristóvão, no vale do Rio Pardinho.

A data de fundação do núcleo colonial de Bom Retiro do Sul é de 15 de março de 1887, quando Jacob Arnt adquiriu de Adolfo Ribeiro a primeira colônia, sendo passada a respectiva escritura no primeiro notariado da cidade de Taquari. Dois anos mais tarde, Cristiano Fett adquiriu meia colônia. Antônio Israel Ribeiro, Henrique Arnt, Jacob Arnt e Jorge Fett compraram mais colônias de propriedade de Adolfo Ribeiro, sendo essas divididas em terrenos e chácaras, marcando a fundação do povoado. Foi elevado à categoria de 2º distrito de Taquari, por Ato nº11, de 05 de dezembro de 1895.

As grandes fazendas que deram origem a Bom Retiro do Sul
O pesquisador, Cônego Hilckmann, cita várias fazendas no território de Bom Retiro do Sul, cujos proprietários seriam de origem lusa e que tiveram sua importância econômica, social e política. Durante a Revolução Farroupilha , o taquariense General David Canabarro registrou, em 1838, a importância das Fazendas de Louzada, no fornecimento de farinha para o exército farrapo.

Além dessas fazendas, citam-se outras mais antigas, como:

- Fazenda Geraldo Castano Pereira, defronte a ponte de Vila Mariante;
- Fazenda Capitão Miguel, pertencente a Manoel Rodrigues Ramos;
- Fazenda dos Barros, fundada por Antônio Israel Ribeiro;
- Fazenda Gomes, estabelecida por Manoel Bittencourt, no Morro dos Gomes que ao terminar a construção de sua casa, partiu para a Guerra do Paraguai.

Anos depois, foram se estabelecendo outras fazendas, como:

- Fazenda Aurora à margem direita do arroio Capivara;
- Fazenda Chico Mathias, fundada pelo Tenente Francisco Mathias de Souza e Ávila, também situada à margem do arroio Capivara.
- Fazenda Juliana, cujo nome se deve a Juliana Maria de Menezes, esposa de Valeriano Francisco de Souza. Desde então, a fazenda e a casa grande continuam na família, sendo passada adiante por herança.

Além dessas grandes fazendas existiam algumas menores tais como:

- Fazenda Espanhola: Nesta fazenda havia restos do velho sobrado que fora sede da mesma. Ficava situada à beira do rio, entre a Fazenda Geraldo e a Fazenda Capitão Miguel.
- Fazenda dos Silva Jorge. Foi uma das fazendas mais antigas, localizada entre as Fazendas Capitão Miguel e Pedreira. Foi fundada por Manoel da Silva Jorge, que era casado com dona Antônia Maria de Bittencourt, pais do Barão de Antonina e Barão de Ibicuí.
- Fazenda dos Maria: Localiza-se no Faxinal dos Maria (Pedreira dos Maria) nas proximidades das Fazendas Geraldo e Espanhola, fundada pelo português João Antônio Maria, senhor de muitas terras e muitos escravos.

Origem dos nomes
A origem do nome de Bom Retiro do Sul provém de um morro que se prestava admiravelmente para, com facilidade, reunir o gado da fazenda a fim de dar-lhe sal. Como a natureza havia talhado aquele recanto para esta finalidade, chamaram-no de "Bom Retiro", o que veio a dar o nome, mais tarde, a todo o distrito.

Há também a versão que este nome tenha sido dado em homenagem ao Doutor Luiz Pereira de Couto Ferraz, Visconde de Bom Retiro, parlamentar e ministro do Império do Brasil, falecido em 1886. A 1º de janeiro de 1945, por força da lei que proibia as denominações geográficas homógrafas, o nome foi trocado para Inhandava, palavra indígena que significa "Águas que correm".
Mais tarde, por imposição do povo, e por iniciativa do Legislativo Municipal, na pessoa do então vereador Sr. Álvaro Haubert, a vila voltou a chamar-se Bom Retiro, desta vez com o acréscimo de "do Sul", por força da Lei Municipal nº 59 do dia 28 de abril de 1949. O 1º subprefeito de Bom Retiro do Sul foi o Sr. Luiz Lautert e o 1º subintendente foi o Sr. Henrique Arnt.

A Navegação
A navegação no Rio Taquari deve ter iniciado em meados do século XIX, pois no ano de 1840, o senhor Louzada - Barão de Guaíba - já possuía uma verdadeira frota de botes, lanchões e canoas movidos a remo e a vela, com os quais se comunicava com o comércio de Porto Alegre, onde vendia os produtos de suas fazendas.

Na década de 1870, João Teixeira possuía um possante lanchão chamado Flor do Taquari, que transportava produtos coloniais, oriundos do comércio de Estrela e Taquari, para Porto Alegre. Na volta, trazia mercadorias para os antigos comerciantes destas localidades.
Na década de 1870, João Teixeira possuía um possante lanchão chamado Flor do Taquari, que transportava produtos coloniais, oriundos do comércio de Estrela e Taquari, para Porto Alegre. Na volta, trazia mercadorias para os antigos comerciantes destas localidades.
Deve-se notar, portanto, que foram Louzada e João Teixeira os decanos da navegação no Rio Taquari, naqueles primitivos tempos. O primeiro prédio construído na atual cidade de Bom Retiro do Sul foi destinado a um trapiche comercial (armazém), que recebia por via terrestre a carga, a qual era transportada através de barcos até Porto Alegre.
Com o passar dos anos, foi progredindo cada vez mais o número de pequenas embarcações particulares que faziam o transporte dos produtos do Alto Taquari para a capital do Estado. No início do século XX já existia a Companhia de Navegação Arnt, que possuía diversas embarcações de pequeno porte e com grande movimento comercial. Em 1914 foi por esta Companhia que iniciou a navegação do primeiro barco-a-vapor para a condução de passageiros.

No decorrer dos anos a navegação foi aumentando e, nos anos de 1920 a 1940, chegou a atingir um movimento jamais esperado. A companhia Arnt tornou-se a pioneira: possuía em atividade cinco vapores, nove gasolinas, dez chatas e trinta embarcações pequenas. Dessas, alguns vapores que, além de mercadorias, conduziam também passageiros. Quatro eram luxuosos, como o Itália, o Osvaldo Aranha e o Porto Alegre, que era o maior de todos e só fazia a rota de Taquari a Porto Alegre.

Existia a Navegação Faller, com duas possantes gasolinas, a Teutônia e a Sereia que, além de produtos comerciais, transportavam também passageiros, bem como a Companhia de Navegação Liberdade, de Pedro Isírio. Essas três companhias possuíam porto próprio, com armazéns comerciais de grande movimento em Bom Retiro. Existiam, ainda, outras companhias menores e também barcos particulares que movimentavam o nosso rio, como a gasolina Fandango, pertencente à família Jasper.

A última Companhia de Navegação existente foi a de Nitzk e Görgen que possuía um movimentado armazém e a gasolina Taquara, que transportava passageiros. Anos mais tarde houve o fechamento dos portos, por um longo período.

Em 1959 foi iniciada a construção da Barragem Eclusa, cujas obras foram paralisadas por 10 anos, reiniciadas em 1969 e concluídas em 1977. A partir de sua inauguração, a navegação voltou a movimentar o rio. Construída sobre o Rio Taquari, é veículo de progresso, alcançando 432 quilômetros navegáveis, a partir do porto de Rio Grande ao Vale do Taquari.
Fonte: cnm.org.br

Criação da Primeira Capela Católica
Em 28 de fevereiro de 1895, o Sr. Jacob Arnt doou um terreno para nele ser construída uma capela católica. Uma provisão da Cúria Diocesana, datada de 28 de novembro de 1896 concedeu licença para erigir a capela "Sagrada Família". A 27 de dezembro de 1897 foi benta e colocada a pedra fundamental da igreja, pelo Padre Bernardo Bolle. No dia 22 de janeiro de 1929, foi criada a paróquia de Bom Retiro, sendo nomeado o 1º pároco o Padre Albino Eugênio Malmann.

Criação da Comunidade Evangélica

Em 1892, reuniram-se os moradores deste município, para construírem uma casa própria que servisse para culto e aula. Esta foi construída em frente ao porto de navegação Arnt e nela foi celebrado o primeiro culto pelo então pastor de Teutônia, Sr. Henrique Bekmann, no dia 1º de junho de 1892. Em 1º de junho de 1904, foi empossado o 1º pastor desta comunidade, o senhor Henrique Bargemann, pelos pastores Beckmann e Hennig , com assistência de todos os sócios. Em 14 de agosto de 1904, foi deliberada a compra de seis terrenos para a construção da igreja. A pedra angular foi colocada em 15 de novembro de 1905, sendo a obra terminada em 1907.

A Ordem Auxiliadora foi fundada pelas senhoras em 1925. Neste mesmo ano foi construída a Casa Paroquial.

A construção da torre foi iniciada em 1949 e em 1950 a mesma foi inaugurada. Em 15 de novembro de 1964, foi colocado o relógio na torre, graças aos auxílios recebidos dos sócios da comunidade.
Fonte:bomretirodosul.com.br

Fonte:https://pesquisandocidades.blogspot.com.br/2017/10/bom-retiro-do-sulrso-pesqueiro-do-vale.html