Translate

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Um recanto a beira-mar. Imbé.RS.2014


Praia Imbé é uma praia brasileira do estado do Rio Grande do Sul.

É um dos balneários que compõem a orla marítima de Imbé, município que faz divisa pelo litoral com Osório ao norte e com Tramandaí ao sul e que tem como vias de acesso a RS-389, conhecida como Estrada do Mar, e a BR-290 para quem vem de Porto Alegre e região metropolitana.

É o balneário sede do município. Destaque para a avenida Paraguassú, que atravessa todo o balneário e em cujas margens há vários estabelecimentos comerciais que servem à população fixa e a flutuante desta praia.

Comparando distâncias deste balneário com as capitais mais próximas e tomando como ponto de partida a sede de Imbé, a distância é de 130 quilômetros de Porto Alegre e 348 quilômetros de Florianópolis.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Lobo Marinho. Ceclimar. Imbé.RS.2014


Ceclimar, Imbé.RS.2014


sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Cataratas. Foz do Iguaçu.2013


Como sempre em excursão grande, entramos cedo no ônibus e saímos atrasados, somente as 9 horas para as Cataratas. Lá aquela montoeira de turistas de tudo que é canto do mundo, e fomos apresentados a guia Josebete. Uma figura, bem baixinha, e espevitada, com sua sombrinha erguida, para sinalizar pra seus guiados. Já as Cataratas são muito mais do que pude imaginar, só quem foi pra saber. Lugar lindo, e perfeito, mas como sempre o que estraga são as pessoas, muito turista tonto e mal educado, querendo monopolizar os lugares de foto, e depois saem atropelando todo mundo, pois se perderam da excursão. Legal foi ver os Quatis cruzando por nossos pés, aquela água todo caíndo, e principalmente é claro a Garganta do Diabo, e ainda bem que compramos capa de chuva.

fonte:http://impressoesdeumexbeduino.blogspot.com.br/2013/12/foz-do-iguacu-sem-paraguai-dez-2013.html

Curitiba.PR.2013

Fotografado por: Denise Machado Moraes

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Capoeira da Bahia. Centro histórico de Porto Seguro.BA.2013


Vista enquanto aguardava o ônibus para Coroa Vermelha. Porto Seguro.BA.2013


Porto Alegre.RS.2012


Movimento Estático. Pelotas. RS.2012


Cascata do Mezzomo. Silveira Martins.2008


Canhoneiro-Memorial do descobrimento. Porto Seguro. BA.2013


Praça Santo Brugalli. Mata.RS.2010



A praça Santo Brugalli localizada no centro é feita com troncos de madeira petrificada, onde há uma escadaria em madeira petrificada que termina no topo de um morro

Madeira petrificada, madeira silicificada ou xilopala é, como o nome indica, madeira petrificada por calcedônia. Esta variedade de quartzo é na realidade madeira fossilizada e em alguns casos pode conter vestigios de opala tal como diz o nome xilopala.

fonte:https://pt.wikipedia.org/wiki/Madeira_petrificada

Jaguares na entrada de Jaguari.RS.2014


Lago Negro. Gramado.2010


Força das Águas. Cataratas lado brasileiro. 2013


Templo Budista. Em Foz.PR.2013


Templo Budista. Que Lugar! Sou fã da arte oriental, e o lugar é muito mais lindo do que eu esperava, com suas estatuas enormes, vastos jardins, e uma paz, que conforta a alma. Tudo que eu precisava para espantar o estresse de final de ano. E pitoresco, pelo menos pra nós, foi ver um chinesinho, de metro e cinquenta, com  chapéu e roupa de camponês, uma figura realmente excêntrica (para nós ao menos), a mulher queria que tirasse foto do cara, mas daí achei muita falta de respeito, deixa ele, e depois fomos saber que aquela figura tão simples era um engenheiro que estava construindo novos monumentos para o templo.  Aqui cabe parabenizar o André, simpático, gente fina, e tem muito domínio de seu oficio, até respondeu uma pergunta sacana que fiz sobre budismo, sacana pois depois de várias pesquisas, nunca ninguém tinha me explicado o que era aquela imagem do Buda gordo e sentado, cheio de dinheiro. Nunca entendi isso, se Buda era vegetariano e possuía voto de pobreza, como ficou gordo? Bom o guia explicou, parabéns a ele.

fonte:http://impressoesdeumexbeduino.blogspot.com.br/2013/12/foz-do-iguacu-sem-paraguai-dez-2013.html

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Havia um túnel no fim da luz. Curitiba.PR.2013

Fotografado por: Denise Machado Moraes

Bamos a La Playa


Toboaguas. Fazenda Acqua Lokos. 2010


A lindíssima. Galeria Pacifico. Buenos Aires.2013


Canoa Indígena. Coroa Vermelha. 2013


A história de Santa Cruz Cabrália inicia-se no ano de 1500 com a chegada e a conquista do território brasileiro pelos portugueses. O município se encontra localizado na Costa do Descobrimento no litoral norte da região do extremo sul do estado da Bahia. Seu território, antes da chegada dos portugueses, era habitado na faixa litorânea por índios da etnia Tupiniquim do tronco linguístico Tupi-Guarani e no interior por grupos Macro-Jê: Botocudo, Maxakalí, Kamakã, Purí, Pataxó e provavelmente outros, identificados na época pelos colonizadores pela designação Tupi genérica de Aymoré e denominados de Tapuias pelos índios Tupi-Guarani por falarem uma língua diferente.
A Vila de Santa Cruz que deu origem a atual cidade foi fundada em 1535, às margens opostas do rio Mutarí, por Pero do Campo Tourinho, primeiro donatário da capitania de Porto Seguro. Na segunda metade do século XVI, a povoação se desloca para um platô às margens do rio João de Tiba, devido aos constantes ataques dos índios e pelo local não oferecer segurança aos moradores. Nesta elevação, a Vila de Santa Cruz se estabelece definitivamente. É construída, ainda no século XVI, a primeira igreja em invocação a Nossa Senhora da Conceição, que por ter sido erguida de forma rudimentar e alvenaria de barro não resisti ao tempo.
No início do século XVIII, os moradores da povoação através de uma petição enviada ao governador geral do Brasil, D. Lourenço de Almada, solicitam a reedificação de uma nova igreja, em razão da anterior haver caído e encontrar-se em ruínas. O então governador leva ao conhecimento do rei português, o qual autoriza a construção da segunda igreja da Vila, que segundo documentação encontrada no Arquivo Ultramarino de Lisboa sua obra teria sido concluída em 1715, e provavelmente, erguida no mesmo local da anterior.
No final do século XVIII é construída a Casa de Câmara e Cadeia, prédio edificado em dois pavimentos que serviu para sediar, no andar superior, a Câmara Municipal e, posteriormente, a Intendência Municipal, na parte térrea, a cadeia pública e o quartel de polícia.
A igreja católica administrava eclesiasticamente o Brasil através das Freguesias ou Paróquias, que contavam sempre com uma igreja matriz. Assim, sob alvará de 5 de dezembro de 1775, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição é elevada ao título de Matriz e a Vila de Santa Cruz à categoria de Freguesia.
Depois deste acontecimento, a Vila atravessa um período de decadência populacional e a igreja chega a perder o título conquistado. Em 1795, recupera seu status de Matriz e a população readquire seu prestígio.
Em 29 de novembro de 1832, sob o Decreto-lei nº 8.594, o presidente da Província da Bahia eleva a Vila de Santa Cruz à categoria de município, mas sua implantação só ocorre no ano seguinte, em 23 de julho de 1833, data em que se comemora sua emancipação política da capitania de Porto Seguro.
Um século mais tarde, no ano de 1931, através do Decreto estadual nº 7.479 de 8 de julho, o município de Santa Cruz perde sua autonomia e permanece por dois anos anexado a Porto Seguro, fato ocorrido por um ato precipitado do interventor Artur Neiva. No dia 4 de agosto de 1933, o interventor Juraci Montenegro Magalhães, assina o Decreto nº 8.594 de 4 de agosto, devolvendo-lhe sua autonomia.
Em 9 de março de 1935, o  prefeito Sidrach Carvalho através do Decreto nº 9.400, acrescenta o nome Cabrália ao de Santa Cruz, passando o município a chamar-se definitivamente SANTA CRUZ CABRÁLIA.
Em 30 de março de 1938, é assinado o Decreto nº 10.724 pelo interventor Landulfo Alves de Almeida, elevando o município à categoria de cidade. Em 29 de janeiro de 1981, a cidade é tombada pelo IPHAN como patrimônio histórico, cultural e paisagístico.


Origem do nome da cidade:
O nome Santa Cruz foi dado por Pero do Campo Tourinho, primeiro donatário da capitania de Porto Seguro, ao fundar a Vila em 1535 que deu origem ao atual município. O nome Cabrália foi acrescentado através do Decreto nº municipal nº 9.400 de 9 de março de 1935, no governo do prefeito Sidrach Carvalho. O primeiro nome Santa Cruz foi dado em homenagem a cruz da fé cristã utilizada na ocasião da 1ª Missa do Brasil no Ilhéu de Coroa Vermelha e o segundo, Cabrália, em homenagem a Pedro Álvares Cabral.

Obs.: Neste ano de 2015, a cidade  de Santa Cruz Cabrália localizada na Costa do Descobrimento, extremo sul do estado da Bahia, está comemorando 515 anos de história (1500), 480 anos de fundação (1535), 182 anos de município (1833) e a igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição 300 anos de sua existência (1715).


fonte:http://www.cabralia.ba.gov.br/Materia_especifica/6540/Santa-Cruz-Cabralia-cinco-seculos-de-historia